Queda de cabelo


Quais as causas de queda de cabelo?

- Crescimento reduzido do cabelo
- Aumento da queda de cabelo
- quebra dos pêlos
- conversão dos pêlos espessos em pêlos finos, do tipo velo.

Qual o ciclo normal do cabelo?

O cabelo cresce em um ciclo: anágeno (cabelo vivo, em crescimento), catágeno (fase intermediária) e telógeno (fase de repouso ou de queda).

O que influencia a queda de cabelo nas diferentes fases?

O cabelo na fase anágena dura de 2 a 7 anos. A queda nesta fase pode ocorrer quando ela é interrompida por certas medicações (p.ex. drogas anticancer), ou em certas doenças auto-imunes como alopécia areata.
 

 
 
 


alopécia areata da barba

placa típica de alopécia areata

A fase telógena dura poucos meses, e termina com o surgimento por um novo cabelo anágeno. A queda nesta fase resulta na queda do cabelo com o bulbo na ponta. É normal que se perca 50 ou mais cabelos telógenos em um dia, um pouco mais no inverno. O eflúvio telógeno resulta da queda excessiva nesta fase. Isto ocorre freqüentemente 2-3 meses após um evento como febre, uma operação, perda de peso, um parto. Algumas vezes não parece haver causa reconhecida, e ciclo mais curto do cabelo pode continuar por anos (eflúvio telógeno crônico).

quantidade estressante de cabelo que caiu no eflúvio telógeno
 

Quais outras causas de queda de cabelo?

A queda de cabelo que possui um padrão definido, que segue influências genéticas e hormonais, é chamada de alopécia androgenética. Este padrão resulta em pêlos cada vez mais finos com a idade (alopécia androgenética). Em algumas famílias este padrão resulta na queda de cabelo masculina e queda considerável em mulheres.
As doenças sistêmicas que podem causar queda de cabelo, ou cabelos de qualidade ruim são
- deficiência de ferro
- deficiência de hormônio tireoidiano

A reposição de ferro ou hormônio, respectivamente, podem resultar em um novo crescimento imediato.
Se a queda de cabelo ocorre na infância, ela pode ser causada por uma anomalia genética da raiz do cabelo. Estas são diagnosticadas através da análise microscópica do cabelo, às vezes através de microscopia eletrônica. Um grande número de anomalias da raiz foram descritas, incluindo:
- Fraturas: Tricorréxis nodosa, tricosquisia, tricotilodistrofia.
- irregularidades: tricorrexis invaginada, hipotricose de Marie-Unna, pelos bifurcados, pelos invaginados, etc
- Pelos dobrados e enrolados, pelo em lã, triconodose (pêlo com nódulos)

A queda de pêlo anágeno em uma criança pode ser devida a uma queda de pêlo anágeno, onde os cabelos caem ao ser penteados. Esta queda se reduz gradualmente, conforme a criança cresce.
A alopécia cicatricial resulta de trauma e de várias doenças de pele, que resultam em lesão da raiz do pêlo. Isto resulta em áreas localizadas onde o cabelo não cresce mais. Infecções da raiz do pêlo (foliculite), causada pela bactéria chamada Staphylococcus aureus, ou micoses podem causar este tipo de queda de cabelo. Doenças de pele que podem resultar neste problema são líquen plano, alopécia frontal fibrosante, lupus eritematoso discóide e esclerodermia. A queda de cabelo cicatricial sem causa conhecida é chamada de pseudopelada.
 
lupus eritematoso discóide foliculite decalvante, um tipo de alopécia cicatricial causada por hipersensiblidade ao Staphylococcus aureus, uma bactéria

Quais  os tratamentos disponíveis?

A alopécia areata em geral se resolve espontaneamente após 6-12 meses. A injeção de corticóides pode acelerar este recrescimento.
A queda de cabelo causada por uma tendência genética, pode ser tratada em homens através do uso oral de Propécia (finasterida) pelos homens afetados. As mulheres não podem usar este medicamento, e este tipo de queda em mulheres não possui tratamento eficaz.
O minoxidil pode ser usado localmente por homens e mulheres, mas possui uma eficiência muito limitada.
Podem ser realizadas cirurgias de transplante de cabelo, onde um pedaço de pele com cabelo do couro cabeludo é removido e implantado em outra região do couro cabeludo. Os resultados podem ser permanentes ou durar alguns anos.


Copyright: New Zealand Dermatological Society